O acidente com o teletransporte

Como não levar para casa “The teleportation accident”, de Ned Beauman, por apenas € 2,50, minha gente? Uma capa linda e um tema que não consigo resistir.

Pois ele estava esperando por mim num dos meus sebos preferidos na cidade, que pertence à organização não governamental OXFAM. As várias lojas espalhadas por Berlim geralmente vendem roupas, sapatos, louças, acessórios e objetos diversos. Mas essa, em Schöneberg, é especializada em livros. Maravilhosa!

Eu nunca tinha ouvido falar nesse autor britânico, mas uma rápida pesquisada mostra que ele já ganhou vários prêmios. Olha, bem merecidos!

A história, maluca, cheia de reviravoltas, mistérios, pot twists e partes engraçadas, é um primor de criatividade.

Continue reading “O acidente com o teletransporte”

Clarice e eu

O livro do Clube do Livro de Münster do mês que vem é “A Paixão Segundo G.H.”, da celebradíssima Clarice Lispector.

Lembro vagamente de ter lido Clarice na adolescência (“A hora da Estrela”); lembrava da história, mas não do estilo. Dito isso, estava muito empolgada em ler esse ícone da literatura brasileira.

Olha, com tristeza e até um pouco de vergonha venho aqui dizer que nós duas não conseguimos nos entender muito bem. Meu cérebro acostumado com narrativas mais simples e lógicas não conseguiu acompanhar a genialidade dela. Sim, eu reconheço que a mulher não é fraca, que domina as palavras e a escrita como ninguém, que é inteligentíssima e tudo mais. Mas não via a hora de acabar o livro (que não tinha nem 200 páginas).

Mas vamos do começo. 

Continue reading “Clarice e eu”

A história vista pelos sapatos

Minha irmã, a administradora e advogada Andréa Ferraz (pensa no orgulho que eu tenho!) ama sapatos. Ama de verdade. Então, não pude deixar de pensar nela quando vi “Women form the Ankle Down: the story of shoes and how they define us” (tradução livre: “Mulheres do tornozelo para baixo: a história dos sapatos e como ele nos definem”), de Rachelle Bergstein.

Na verdade comprei esse livro para ela, mas como levo a sério o controle de qualidade dos meus presentes, li primeiro e estou fazendo a resenha para essa linda.

Parece um livro de moda e curiosidades, mas na verdade é um livro de história do século XX que usa os sapatos como protagonistas de algumas mudanças culturais bem importantes. 

Continue reading “A história vista pelos sapatos”

Um holograma para o rei

Quando “A Hologram for the king”, de Dave Eggers caiu na minha mão em um mercado de pulgas, fiquei bem atraída pelo título e até imaginei que fosse uma obra de ficção científica. 

Aí me lembrei que tinha visto o nome do autor em algum lugar; claro, ele escreveu “O círculo”, que não gostei nem um pouco (se quiser ler a resenha, está aqui).

Mas realmente a capa me atraiu demais (sou dessas…rs), de maneira que resolvi dar mais uma chance a ele. Ainda mais porque esse romance era anterior ao que eu não gostei e ainda tinha uma chamada para o fato de que a história virou um filme protagonizado pelo Tom Hanks (Tom geralmente escolhe bem os roteiros).

Quer saber? Valeu demais! Nem parece que foi a mesma pessoa quem escreveu os dois livros. Impressionante a diferença.

Continue reading “Um holograma para o rei”

Vamos visitar uma exposição?

Como eu amo as surpresinhas dessa cidade!

Ontem descobri por acaso (passei em frente) a exposição Go! ou Game Over, do coletivo de artistas Die Dixies.

Eles pegam edifícios prestes a ser demolidos e fazem instalações de arte temporárias. Dessa vez, enfatizaram bastante, além da arte urbana, arte digital e NFTs.

Continue reading “Vamos visitar uma exposição?”

Hibisco Roxo

Eu já tinha começado a ler Chimamanda Ngozi Adiche com sua obra mais famosa, Americanah. Achei a história interessante, mas contada de um jeito muito arrastado, a ponto de ter me desinteressado na metade e abandonado a leitura.

Mas resolvi dar mais uma chance a essa premiadíssima autora quando vi que o livro do mês do Clube do Livro de Münster era Hibisco Roxo. Eu li na versão original em inglês, mas tenho certeza de que ela existe em português; vou colocar o link para quem quiser comprar, pois recomendo muito.

Dessa vez consegui abraçar a narrativa e entrar na história narrada por Kambili, uma menina de 15 anos que mora na cidade Enugu, na Nigéria. Ela e Jaja,  o irmão mais velho são muito unidos. Educadíssimos e gentis, sofrem abusos morais de seu pai, um industrial riquíssimo e fanático religioso. 

Continue reading “Hibisco Roxo”

Robô javali

Finalmente pude ficar pertinho de um robô da Boston Dynamics (inclusive, ele cheirou meu pé…rsrsrs).

Foi numa instalação de arte chamada BOAR (javali, em inglês); uma performance robótica do artista Federico Díaz e do novelista e tecnologista J. M. Ledgard como parte da 12th Berlin Biennale for Contemporary Art.

O robô tenta imitar um javali, animal selvagem, mas que é frequentemente visto nos arredores da cidade.

Gostei do bichinho, mas achei que estava mais para um cabrito do que um javali…

A estampa que é a cara de Berlim

Olha só que sacada!

A BVG, empresa de transportes públicos de Berlim, usava uma estampa nos bancos estofados que parecia uma camuflagem colorida. Mas rolou uma treta com o designer e eles tiveram que parar de usar.

Eis que esse é o vídeo para apresentar a nova estampa. Olha, antes de ver o vídeo eu tinha achado uma releitura preguiçosa da antiga (são bem parecidas, com uma mudança principalmente nas cores; dá uma olhada nas fotos). Mas agora achei que tem tudo a ver.

Continue reading “A estampa que é a cara de Berlim”